escalas de análise geográfica

É frequente, na linguagem comum, a confusão entre áreas, zonas e regiões, por exemplo. No entanto, há uma terminologia própria para distinguirmos as diferentes divisões espaciais, que que se utilizam na análise geográfica. Consideram-se, fundamentalmente, três grandes divisões: áreas, zonas e domínios. Torna-se, portanto, conveniente fazer a distinção entre estes conceitos.

 

Áreas

Espaços abrangidos pela distribuição de determinado fenómeno, considerado isoladamente. Assim poderemos referir-nos à área de distribuição do pinheiro manso, ou às áreas urbanas.

 

Zonas terrestres

Grandes faixas, grosseiramente paralelas, caracterizadas por condições climáticas uniformes, resultantes da diferente inclinação dos raios solares sobre a superfície da Terra e da inclinação do seu eixo em relação ao plano da elíptica. As zonas terrestres diferenciam-se em função da latitude. Podemos então referir-nos à zona equatorial, às zonas temperadas ou às zonas polares.

 

Domínios

Grandes extensões, não zonais, resultantes da interferência nas condições climáticas gerais de elementos como cadeias montanhosas, mares, etc. Podem então considerar-se o domínio mediterrâneo, ou o domínio das monções, ou ainda o domínio de montanha.

 

Região geográfica

Não se considera propriamente uma divisão em análise geográfica, mas antes uma unidade espacial diferenciada e caracterizada por uma uniformidade que lhe é conferida por elementos físicos (como a localização, o clima e o relevo) e por elementos humanos (como a língua, os traços culturais, o povoamento, o uso da terra, etc.). Faz, então, sentido falar da região alentejana, ou da região do Magreb, por exemplo, mesmo que esta se estenda por diferentes países.

 

O mundo globalizado

"O termo globalização designa um fenómeno de abertura das economias e das respetivas fronteiras em resultado do acentuado crescimento das trocas internacionais de mercadorias, da intensificação dos movimentos de capitais, da circulação de pessoas, do conhecimento e da informação, proporcionados quer pelo desenvolvimento dos transportes e das comunicações, quer pela crescente abertura das fronteiras ao comércio internacional. Apesar de ser geralmente apresentado como um conceito sobretudo económico, o fenómeno da globalização vai muito além desta dimensão, incluindo também a aproximação e mesmo integração global ao nível cultural, social e político, formando aquilo a quem vem sendo chamado por aldeia global." (Fonte: http://www.knoow.net/cienceconempr/economia/globalizacao.htm).

 

"Globalização é um processo de integração social, política e económica entre os países as empresas e as pessoas do mundo todo. A integração mundial decorrente do processo de globalização ocorreu em razão de dois fatores: as inovações tecnológicas, principalmente nas telecomunicações e na informática, e o incremento no fluxo comercial mundial. A partir da rede de telecomunicações (telefone fixo e móvel, internet, televisão, aparelho de fax, entre outros) foi possível a difusão de informações entre as empresas e instituições financeiras, ligando os mercados do mundo. A globalização é a fase mais avançada do capitalismo. Com o declínio do socialismo, o sistema capitalista se tornou predominante no mundo. A consolidação do capitalismo iniciou a era da globalização, principalmente, económica e comercial." (Adaptado de http://globalizandoomundo.blogspot.pt/2009/04/definicao-de-globalizacao_03.html).

 

E agora o conceito brincalhão de Mundo Globalizado... uma brincadeira muito séria:

 

A Morte da Princesa Diana!

Uma princesa inglesa com um namorado egípcio, tem um acidente de carro dentro de um túnel francês, num carro alemão com motor holandês, conduzido por um belga, bêbado de whisky escocês, que era seguido por paparazzi italianos, em motos japonesas. A princesa foi tratada por um médico canadiano, que usou medicamentos americanos. E isto foi enviado para si por um brasileiro, usando tecnologia americana (Bill Gates) e provavelmente, você está lendo isto num computador genérico que usa chips feitos em Taiwan e num monitor coreano montado por trabalhadores do Bangladesh, numa fábrica de Singapura, transportado em camiões conduzidos por indianos, roubados por indonésios, descarregados por pescadores sicilianos, reempacotados por mexicanos e, finalmente, vendido a si por chineses, através de uma conexão paraguaia.

Isto é GLOBALIZAÇÃO!

(Retirado e adaptado do Facebook de Luiz Fernando Veríssimo)